Coordenação e Gestão

Colocamos na cabeça o desejo de implementar remotamente a escola “olho no olho”, com professores presentes de corpo, alma e paixão. É possível? Como engajar as famílias neste projeto?

Leia mais

Vivemos um tempo em que a escola já é parte da vida da criança pequena… e ela sabe disso! Mas a ocorrência do coronavírus impôs um afastamento… tristemente, professores e alunos tiveram que deixar de conviver. Por isso, órgãos do governo e sociedade cobram das escolas a invenção de um novo modo de ser, que se opõe a uma instituição que existe há séculos. Preparamos um roteiro para ajudar a refletir sobre a educação à distância para crianças pequenas e organizar estratégias para planejar atividades compatíveis com os diferentes contextos. Esta é uma oportunidade para refletir e se recriar?Sim. E a reinvenção passa necessariamente pela tecnologia. Então, perguntamos: Que tecnologia é essa que caminha tão distante do dia a dia das creches e pré-escolas?Que sala de creche e pré-escola conta com recursos de informática ou um simples computador conectado à internet?Em qual escola de educação infantil a criança vivencia experiências…

Leia mais

É comum chegarmos nas creches para fazer formação nos meses de novembro e dezembro e encontrarmos um cenário de caos:
Nós: olá! Tudo bem? Vamos trabalhar?
Equipe: tudo mais ou menos… estamos malucas com os relatórios! Não sobra tempo para cuidar das crianças da escola e nem para cuidar da nossa casa!
Coordenadoras: vou enlouquecer de tanto ler relatório individual!!!

Resultado: durante 30 dias temos professoras com a cabeça em outro lugar que não as crianças e coordenadoras com a cabeça latejando e bem longe do acompanhamento das práticas docentes. As equipes estão empenhadas em escrever os relatórios descritivos individuais e as coordenadoras com mais de 100 destes documentos para “corrigir”!

Para piorar a cena, ainda escuto que alguns familiares mal leem o documento e confessam que preferiam conversar sobre seus filhos diretamente com a professora.

Reconhece esse ambiente?

Leia mais

O que é pedagogia da investigação? Por que a alfabetização ambiental é tão importante para as crianças? E a escola, para que serve?

Escola pra quê? é uma série de vídeos que a socióloga e educadora Gisela Wajskop gravou para conversar sobre o papel da escola e de educadores que têm o privilégio de educar crianças com pouca idade, tamanho pequeno e muita curiosidade, expressividade e desejo de aprender.

Nesta postagem indicamos dois vídeos em que a Gisela apresenta cenas da Escola do Bairro e compartilha sua visão sobre a pedagogia da investigação e a alfabetização ambiental.

Leia mais

É possível olhar e registrar tudo o que acontece durante uma proposta? O que o professor precisa observar durante uma atividade? Revisamos e reeditamos esta que é uma das postagens mais acessadas desde 2016. Aproveite para rever e rePENSAR a pauta do olhar que orienta a observação e o registro!

A observação da cena pedagógica é o ponto de partida para o registro, a reflexão e o replanejamento da prática. É a fonte de informação do professor imprescindível para que ele pense sobre os percursos de aprendizagem das crianças. O professor precisa exercitar um olhar observador da cena pedagógica com foco nas crianças, no grupo e nas interações.
Por quê?
A observação é uma ferramenta necessária para quem trabalha com educação. Por meio da observação o professor direciona seu olhar para buscar ver o que ainda é desconhecido. Por ser um olhar intencional, pensa e questiona a respeito do que vê e quer entender o que está acontecendo. Não é um olhar vago à espera de que as informações caiam do céu, é olhar cuidadoso, investigador, um olhar reflexivo.

Leia mais

Ao pensar em REGISTRO, os conceitos de REFLETIR e AVALIAR sempre estão colados. Como um processo se conecta ao outro? Mesmo cercado de incertezas, o registro pedagógico tem sido cobrado, exercitado e já faz parte da prática do professor. Então, o que é fazer avaliação na educação infantil?
Convidamos o leitor a pensar sobre estas questões a partir de uma situação prática… mas sem esquecer da fundamentação teórica!

A avaliação é o final e também o início de um percurso de aprendizagem. Sem avaliar o que vivemos não podemos aprofundar as experiências. Nesse sentido, o registro pedagógico é o meio para que se processe a avaliação. É retomando as anotações, as imagens e as produções que o professor reúne elementos para pensar sobre o que ocorreu e AVALIAR as aprendizagens das crianças e sua prática pedagógica. É avaliando que o professor pode pensar no foco das próximas propostas para aprofundar as aprendizagens, construir competências e transformar a sua prática.

Não adianta escrever, escrever e escrever no caderno de registro, fotografar, filmar e guardar os trabalhos das crianças se tudo isso só existir para preencher o vaizio do caderno, a memória do celular e o armário da sala! É preferível fazer registros mais sintéticos e objetivos e retomá-los em reflexão.

Do mesmo modo, a criança precisa rever-rememorar-retomar as próprias experiências de aprendizagem. Nestas oportunidades, ela pode refletir a seu modo sobre o que viveu e aprendeu. Contudo, para favorecer este processo, também é fundamental que o professor registre, reflita e avalie para que possa organizar uma documentação pedagógica que dê conta de expor as narrativas das vivências das crianças. Só para lembrar, documentar envolve selecionar e organizar:

  • fotografias dos espaços e materiais,
  • amostras dos materiais (se for o caso),
  • fotografias das crianças em momentos de aprendizagem, descoberta e resolução de problemas,
  • produções das crianças,
  • escrita das falas das crianças,
  • outros documentos utilizados durante as atividades (imagens, textos, livros etc.).

Mas atenção! A composição desse material deve contar uma história na qual as crianças são as protagonistas. Não adianta juntar tudo e colar de qualquer jeito num cartaz, num painel ou no portfólio! Professor, depois de refletir sobre seus próprios registros, é importante se perguntar: o que eu gostaria que as crianças lembrassem? Como fazê-las reviverem o que viveram? Quais os interesses que estão demonstrando a partir da retomada das experiências? O que ficou de toda a proposta? O que eu gostaria de continuar a chamar a atenção do grupo? O que eu acho que vale a pena continuar pensando para aprofundar?

A professora e pesquisadora portuguesa Júlia Oliveira-Formosinho acredita que a avaliação na educação infantil deve estar apoiada em uma série de princípios:

  • Ser compatível com uma teoria de educação. A avaliação, como dimensão da prática pedagógica, precisa “combinar” com ela. Isto é, se acreditamos numa educação que considera a criança como protagonista e produtora de cultura, os processos de avaliação devem partir desta crença.
  • Ser democrática e participativa, compreendendo professores, crianças, famílias e a comunidade escolar.
  • Envolver ativamente as crianças, que devem participar na elaboração da documentação pedagógica, visitar seus registros para repensar-rememorar as experiências vividas e se expressar sobre elas.
  • Apoiar as jornadas individuais de aprendizagem de cada criança e dos professores.
  • Centrar-se nas narrativas do que as crianças fazem, conseguem e conquistam para não atacar o bem-estar delas.

A pesquisadora portuguesa ainda valoriza “ouvir as crianças, olhar para elas, estabelecer conversas e diálogos, alcançar compromissos entre os propósitos das crianças e os dos profissionais, planejar para a realização desses compromissos, documentar todo o processo, refletir sobre a documentação que torna visível a jornada de aprendizagem de cada criança e a jornada coletiva”. Tudo isso para que “a documentação e a avaliação sejam vistas como um suporte das jornadas de aprendizagem”.

Para cruzar estes pensamentos teóricos com a prática pedagógica e responder à indagação “até aqui tudo certo, mas como eu faço isso na prática?”, organizamos um percurso de avaliação inspirado numa prática pedagógica. Usamos como exemplo uma das práticas publicadas no nosso livro Práticas Comentadas para Inspirar (Editora do Brasil, 2017), realizada pelas professoras Sandra e Cida no CEI Nossa Turma, SP.

 •  •  •  •  •  •  •  •  •  •  •  • 

Atividade: UM LABORATÓRIO PARA PEQUENOS CIENTISTAS

Contexto das crianças e a pesquisa do professor

É conhecendo, interagindo com o mundo físico e inventando brincadeiras que as crianças desenvolvem a curiosidade e a vontade de levantar problemas, pesquisar soluções, empreender tentativas, avaliar os resultados e fazer tudo de novo!

Proposta de atividade para uma turma de 3 a 4 anos: brincadeira com materiais e objetos do cotidiano


Objetivos de aprendizagem e desenvolvimento
 – a partir da BNCC (2018)

Leia mais

Um pensamento comum no meu tempo de criança afirmava que “conhecimento não ocupa espaço”, mas não significa que não é trabalhoso conquistá-lo…

Olhar para o passado e para o futuro embasa o planejamento no presente. Lembrando disto, mexemos no arquivo de postagens publicadas nos meses de abril de 2014 a 2018. Os temas são variados e propõem um leque de possibilidades para refletir:

  • O que pensamos nos meses de abril para fazer as postagens do Tempo de Creche?
    Quais temas nos envolveram?
    A preocupação maior foi a criança!
    Pensamos nelas o tempo todo, mas o olhar foi estendido para as diferentes dimensões do fazer pedagógico…Organizamos as postagens procurando agrupá-las por temas e, assim, facilitar o acesso aos conteúdos que lhe provoquem:
  • Diversidade,
  • A escola e o seu entorno,
  • Ampliação cultural,
  • Relação criança-adulto,
  • Aprofundando a formação,
  • Aprimoramento profissional,
  • Planejamentos e
  • Recursos.

    Leia mais

Talvez não tenha chegado ao conhecimento de muitos professores, mas um grupo de especialistas do MEC elaborou um documento de apoio às práticas pedagógicas que partem dos eixos indicados na BNCC.

São tabelas com explicações dos campos de experiências, dos objetivos de aprendizagem e desenvolvimento e dos direitos de aprendizagem relativos a cada objetivo. Também constam informações sobre o que trabalhar com as crianças de 0 a 5 anos e 11 meses e alguns exemplos práticos.

Leia mais

Ao aproximar-se o final de ano, o movimento é grande e são muitas as obrigações, arrumações e afazeres, tudo à beira de um período de festas e comemorações. Mas ainda temos um grupo de crianças que continua frequentando a escola. O que fazer de diferente com essa turminha?

Sentimos no ar uma mudança no espírito, esses meses de final e início do ano têm uma atmosfera diferente…
Nessa altura as crianças estão mais amadurecidas e integradas. Os maiores e os menores se conhecem e brincam juntos. Os espaços da escola são familiares e os materiais também. A autonomia está em pleno exercício. Porém, o papel do professor não entrou de férias. Ainda é preciso aproveitar o tempo com as crianças e criar ambientes de aprendizagem.

Que tal propor uma nova organização do espaço e a redistribuição dos materiais!

Para unir o útil ao agradável, pense em transformar a organização dos materiais em brincadeira! E quanto aos brinquedos velhos, incompletos e quebrados, será que eles podem ser reaproveitados?

Aqui vai uma sugestão que pode ajudar o professor a encontrar um caminho interessante para os poucos dias que restam no ano…

Levantamento, separação e organização

Junte todos aqueles brinquedos e partes de brinquedos que não vão ocupar as prateleiras de destaque no próximo ano. Você pode solicitar os descartes de outras turmas e até mesmo os da cozinha (cuidando para não incluir vidros, facas e outros itens perigosos).

Prepare caixas de papelão de diferentes tamanhos, arrumando-as nos cantos da sala.

A dica é colocar todo o material que será rejeitado sobre um tapete, tecido, lona plástica ou folha grande de papel e convidar a turma para separar e guardar nas caixas.

Para os pequeninos, entre 18 e 24 meses, tudo vale. Ainda é complicado fazer seleção e classificação. Porém, se o grupo já começar a nomear cores, compreender as relações entre objetos como carrinhos, bonecas, copinhos e pratinhos, é possível lançar o desafio de guardar os materiais de acordo com algumas classificações.

Leia mais

Baixe o material, pense sobre o roteiro e os questionamentos e elabore sua pauta de reunião para construir o Planejamento 2019 com sua equipe.

Leia mais

20/103