Areia comestível para desafiar bebês e professoras

Areia comestível para desafiar bebês e professoras

Projetos e sequências didáticas se aplicam aos bebês? Eles compreendem estes processos? Acompanhe o percurso de um trio de professoras de bebês que trabalhou as sensações provocadas por diferentes farinhas e pela areia comestível.

Recentemente surgiu uma questionamento entre as professoras participantes das nossas formações: se os bebês são curiosos e pesquisadores, cabe fazer perguntas e desafiá-los?

 Sim! Basta adequar as intervenções:

  1. Começamos pelos materiais e pela organização de um espaço propositor. É pensar na arrumação de um local que fale por si, que inspire brincadeiras e que favoreça explorações e descobertas. Se consideramos que os bebês possuem diferentes antenas pelas quais conhecem o mundo que os cerca, os espaços e os materiais devem provocar um espectro de variadas sensações.
  2. Durante o andamento da proposta, permitimos o movimento livre do grupo para conhecer o espaço e os materiais da atividade. Em seguida, encurtamos a distância entre nós e os bebês, sentando junto para convidar e desafiar: viu esse material? Quer brincar? Quer tentar colocar a mão? Vamos descobrir o que isso faz/como é?
  3. Por fim, observamos e agarramos as oportunidades surgidas nas brincadeiras e nas expressões das crianças: olha o que você descobriu! O que será que aconteceu? Como você fez isso? Mostra para mim? Olha o que eu tenho aqui… (mostrar um objeto, um pote, uma colher, outro riscador, um brinquedo etc.), será que você quer brincar com isso também? A ideia é observar a brincadeira e intervir para que fique mais complexa. Assim, provocamos novos pensamentos com outros materiais e perguntas sutis, damos autonomia para a criança aceitar ou não o desafio, e esperamos o tempo dela pensar, testar e inventar.

Na prática…

As professoras Cida, Adriana e Juciara, do CEI Aníbal Difrancia – SP, percorreram uma trilha de explorações sensoriais com seus bebês. Incansáveis observadoras do grupo e atentas aos interesses dos pequenos, desenvolveram uma sequência didática com diferentes farinhas. Aprofundando e diversificando as experiências, planejaram até uma enlameada atividade com tinta de argila (barbotina1).

As professoras avaliaram o percurso e entenderam que poderiam testar as brincadeiras de moldar feitas com a areia…

Areia para bebês?…. Hummm…..será? É um material perigoso para os pequenos? E se eles comerem? O que fazer?

O trio pesquisou e solucionou a questão, encontrou uma receita de areia comestível.

AREIA COMESTÍVEL
para maiores quantidades, aumentar os ingredientes
respeitando a proporção da receita

  • bacia ou recipiente para preparar o material
  • 5 xícaras de farinha
  • 1 xícara de óleo de cozinha
  • 1/2 xícara de achocolatado
  • forminhas, colheres, xicrinhas e potinhos

As professoras prepararam o material e organizaram o espaço propositor. Os bebês embarcaram na aventura, adoraram a areia, inventaram brincadeiras e enfrentaram novos desafios. Com isso, ampliaram as experiências sensitivas, motoras e cognitivas.

O que aprendemos?

Quando perseguimos trilhas de aprendizagem com as crianças, saímos da avenida do superficial e transitamos pela estrada do aprofundamento. Com isso, construímos conhecimentos.

As crianças são questionadoras por natureza e quando valorizamos esse modo de ser, favorecemos importantes aprendizagens:

  • observação
  • escuta
  • exploração
  • experimentação
  • criação e reinvenção
  • testagem
  • avaliação
  • pensamento crítico
  • fazer novas perguntas

e muito mais…..

Um trabalho pedagógico como esse só pôde ser realizado a partir das reflexões do dia a dia… sem esquemas prontos e planejamentos engessados. Um percurso construído passo a passo, que foge dos “planejamentos mensais” que impossibilitam prever as respostas das crianças.

 

PARA SABER MAIS…

1- Barbotina é uma mistura líquida de argila com água, geralmente utilizada para colar partes de argila.

Leia mais sobre materiais sensoriais nas postagens:

Arroz para brincar

Três ideias criativas para trabalhar com bebês

Experiência de leitor: uma aventura com macarrão

 

4 comments

Nady, vale a pena experimentar novos materiais sim, mas pensaria um pouco na questão do açúcar, ainda mais para bebês. As bolachas são muito doces e o que costumamos dar de açucar no dia a dia já está acima do recomendados 😉

Uma outra ideia é fazer a farinha triturando a bolacha maisena e colocando um pouquinho de óleo de coco. A areia irá ficar também com um cheirinho gostoso e boa de manusear.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.