Experiências e campos: o que a Base Nacional quer dizer com isso? – PARTE 1

Experiências e campos: o que a Base Nacional quer dizer com isso? – PARTE 1

Com a homologação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) duas palavras têm tirado o sono de coordenadores e professores da Educação Infantil: experiências e campos.
Nesta postagem vamos refletir sobre as EXPERIÊNCIAS como pilares das transformações e aprendizagens das crianças pequenas. Na próxima postagem vamos destrinchar a organização das experiências em diferentes CAMPOS, os campos de experiências e seus objetivos de aprendizagem e desenvolvimento para explicar como eles podem orientar os planejamentos e as prática dos professores.

Experiência de aprendizagem berçárioEntão, o que são as famosas experiências tão presentes na BNCC?

As palavras experiência-experiências aparecem mais de 30 vezes ao longo do texto dedicado à etapa da Educação Infantil. Essa ênfase traduz a crença de que crianças aprendem quando têm experiências. O que isto significa?

Experiência de aprendizagem crecheVamos recorrer ao pedagogo espanhol e filósofo da educação, Jorge Larrosa, para dar sentido à concepção de experiência de aprendizagem.

Larrosa afirma que “experiência é o que nos passa, o que nos acontece, o que nos toca. Não o que se passa, não o que acontece, ou o que toca. A cada dia se passam muitas coisas, porém, ao mesmo tempo, quase nada nos acontece”.

Larrosa quis dizer que experiências são aquelas vivências que nos “atravessam” e sensibilizam. Para ele, se informar não é o mesmo que experimentar, porque o que marca o ser humano (e qualquer animal) é aquilo que o toca e o transforma.

Ora, se aprender é o mesmo que viver transformações, então somente as experiências podem nos atravessar, sensibilizar e gerar aprendizagens. Não esqueça que aprender significa mudar algum comportamento ou o jeito de sentir e entender o mundo.

Assim, para Larrosa, é comum perceber que:

“Depois de assistir a uma aula ou a uma conferência, depois de ter lido um livro ou uma informação, (…) podemos dizer que sabemos coisas que antes não sabíamos, que temos mais informação sobre alguma coisa; mas, ao mesmo tempo, podemos dizer também que nada nos aconteceu, que nada nos tocou (…)”

Para o autor, “pensar não é somente ‘raciocinar’ ou ‘calcular’ ou ‘argumentar’, (…), mas é sobretudo dar sentido ao que somos e ao que nos acontece”. Partindo dessa colocação, em quais situações a criança está de fato envolvida e raciocinando? Favorecemos experiências de aprendizagem no dia a dia da escola?

Experiência de aprendizagem pré escolaUm trecho do interessante texto da pedagoga Silvana Augusto esclarece o processo de aprendizagem de crianças pequenas a partir de experiências:

“Muitas vezes, a ideia de experiência é confun­dida com a de vivência, mas, vivenciar não é o mesmo que experienciar. Somos expostos cotidianamente a inúmeras situações, às vezes conhecidas, outras vezes novas. Mas nem todas se constituem em experiência educativa”.

Para que a criança viva de fato uma experiência de aprendizagem é preciso mobilizar sua curiosidade e interesse. É só assim que a vivência será significativa e promoverá marcas e transformações internas que poderão ser relacionadas a outras aprendizagens e utilizadas em outros contextos. Essa é a visão de desenvolvimento infantil preconizada pela Base.

Em situações de brincadeira, a criança provocada e encantada se interessa pela proposta, interage com as pessoas, os objetos e o ambiente. Desse modo, temos que considerar planejamentos que ofereçam aos pequenos oportunidades lúdicas que despertem interesses, brincadeiras, explorações, relações e descobertas. Não é a atividade que deve ser “interessante” por si só! As crianças é que precisam se interessar e mergulhar nelas!

Experiência de aprendizagem higieneNão é difícil reparar olhinhos brilhando quando vemos um bebê tentando encaixar um objeto no outro; ou um grupo de pequenos ouvindo com atenção a história favorita. Também é notável a entrega das crianças às brincadeiras de faz de conta que arrebatam emoções. Quem não percebe o encanto de algumas crianças quando observam um flor, sentem as texturas das pétalas, testam a sua delicadeza e colhem-na para levar consigo as sensações e o deslumbramento?

Situações opostas também são facilmente observáveis. Momentos em que as oportunidades não efetivam experiências e aprendizagens: atividades pouco interessantes e desafiadoras em que as crianças têm que colorir folhas de papel com desenhos impressos; ouvir comunicados e “discursos” em rodas de conversa que não as envolvem; carimbar as mãozinhas pintadas pela professora para marcar a “lembrancinha” ou o cartaz da famosa “Chegada da Primavera”; e até estar passivelmente presente nas tarefas de higiene, como lavar as mãos e escovar os dentes. Estes são exemplos de atividades que passam pelas crianças sem deixar marcas, sem transforma-las e, especialmente, sem de fato ensina-las…. Nestes casos, estamos desperdiçando o precioso tempo da infância.

Para concluir esta reflexão, é preciso observar a turma em diferentes contextos e propostas para levantar pistas sobre seus interesses e necessidades. Em seguida, elaborar planejamentos que favoreçam experiências que as atravessem e transformem. Depois, retomar esse histórico para aprofundar e ampliar as vivências significativas em diferentes campos… mas isso é assunto para a próxima postagem!

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

PARA SABER MAIS…

→ Bibliografia:

Silvana de Oliveira Augusto. A experiência de aprender na Educação Infantil. Novas diretrizes para a Educação Infantil. Salto para o Futuro, Ano XXIII, Boletim 9, p. 19-28, jun. 2013 Disponível em https://cdnbi.tvescola.org.br/resources/ VMSResources/contents/document/publicationsSeries/09183509_NovasDiretrizesEducacaoInfantil.pdf

Jorge Larrosa Bondia. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Rev. Bras. Educ.,  Rio de Janeiro ,  n. 19, p. 20-28,  Apr.  2002 .   Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782002000100003.

Base Nacional Comum Curricular – dezembro 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf

→ Leia mais sobre “experiências” nas postagens:

9 comments

Sou gestora de uma escola Comunitária do meu bairro eu tô querendo me escrever .Para receber orientações os conteúdos aqui apresentados são excelentes!!!!

Olá Benilde! Obrigada pelo retorno.
Logo no início da página tem um lugar para você se cadastrar gratuitamente e receber notificações de todas as nossas postagens.

Maravilhosa as orientações que existem aqui. Cada dia enriquece mais o trabalho pedagógico da gente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.